8 de mai de 2017

Todos conhecem esses oitos objetos, mas ninguém sabe como eles realmente funcionam!


Existem vários objetos que usamos diariamente e de forma bastante frequente, e muitos deles têm diversas utilidades. Mas a verdade é que nós estamos a usar alguns deles de forma totalmente errada. Ou, pelo menos, não da maneira que seus inventores pretendiam!

Vê nove objetos que são frequentemente mal entendidos e para o que eles realmente servem:

1. Cabos de panelas e frigideiras

O buraco no cabo não é apenas para ser mais fácil de pendurá-las, também podes deixar a colher apoiada no buraco num ângulo perfeito.

2. As linhas de relevo no teclado

Elas não são uma forma alternativa de braille. Também não são uma forma secreta de entrar no teclado ou digitar comandos secretos.

Na verdade, elas estão lá para te ajudar a posicionar os dedos nos lugares certos quando estás a digitar sem olhar para o teclado. O teu dedo indicador esquerdo fica no “F” e o direito fica no “J”.

3. Caixas de tic-tac

Dentro da caixa de tic-tac tem um buraquinho para tirar apenas um tic-tac.

4. Caixa de yakissoba

Vários restaurantes asiáticos nos EUA, Europa e Brasil adotaram totalmente a caixinha de yakissoba.

A maioria de nós já deve ter comido várias vezes diretamente dessas caixas de papel, mas sabias que o objetivo é desdobrá-las para que elas virem um prato?

5. Carrinhos de supermercado

Já te deves ter apercebido dos ganchos arredondados nas pontas dos carrinhos de supermercado. Eles estão ali por um motivo e não apenas por questões estéticas: para que possas pendurar os sacos de compras.

6. Fita métrica

Na ponta da tua fita métrica há um pequeno gancho que é muito útil para a fita se prender a uma ponta enquanto a desenrolas para medir algo.

7. Concha da massa

O buraco no meio da concha da massa serva não só para deixar a água escorrer mas para medir a quantidade exata de esparguete para uma pessoa.

9. Papel higiênico

Como pendurar papel higiênico é uma questão muito debatida: a ponta deve ficar para dentro ou para fora? Devemos puxá-lo por cima ou por baixo? As pessoas têm opiniões bem fortes sobre esse assunto. Mas se vires a patente original do papel higiênico, de 1891, saberás pelo menos o que o inventor pretendia.