9 de set de 2015

Quebrou o silêncio e revelou segredo chocante! “Bin Laden está vivo e tem boa vida nas Bahamas”!


Snowden, que vive como um fugitivo na Rússia depois de liberar documentos sobre programas de vigilância da NSA fez algumas alegações anteriormente sobre o famoso terrorista, Osama Bin Laden, durante uma entrevista com o Moscow Tribune.

Segundo ele, Bin Laden além de estar vivo, está a viver um estilo de vida luxuoso, nas Bahamas, graças a pagamentos regulares da CIA.

“Eu tenho documentos que provam que Bin Laden ainda está na folha de pagamentos da CIA”, afirma Edward Snowden. “Ele ainda está a receber mais de US $ 100.000 por mês, que são transferidos através de algumas empresas e organizações de fachada, diretamente para a sua conta bancária em Nassau. Não estou certo de onde ele está agora, mas em 2013, ele vivia tranquilamente em sua casa de campo com cinco das suas esposas e muitos filhos.”


Sr. Snowden diz que a CIA orquestrou a morte falsa de o ex-líder da Al Qaeda, enquanto ele estava a ser transportado com a sua família em um local não revelado nas Bahamas.

“Osama Bin Laden foi um dos operadores mais eficientes da CIA por um longo tempo”, afirma o famoso denunciante. Eles organizaram a farsa da sua morte, com a colaboração dos serviços secretos paquistaneses, e ele simplesmente abandonou a sua antiga forma de se vestir. Uma vez que todos acreditam que ele está morto, ninguém está à sua procura, por isso era bastante fácil de desaparecer. Sem a barba e a roupa militar, ninguém o reconhece “.

Sr. Snowden diz que os documentos que provam que Bin Laden ainda está vivo serão integralmente reproduzidos no seu novo livro, previsto para ser lançado em setembro.

Edward Snowden foi contratado por uma empresa NSA em 2013 logo após de ter trabalhado com a Dell e a CIA. No mês de junho do mesmo ano, ele revelou milhares de documentos secretos da NSA aos jornalistas.

O governo dos Estados Unidos apresentou acusações de espionagem contra ele pouco depois de que suas revelações se tornaram públicas. Ele tem vivido sob asilo em Moscou, depois de fugir dos EUA por Hong Kong.
Em 28 de julho de 2015, a Casa Branca rejeitou uma petição de quase 168 mil signatários, para perdoá-lo.